Episódio 19 - Ideia na cabeça, papel e caneta na mão, Matheus Dias

  


Hoje damos prosseguimento à série de seis podcasts dedicados à cidade de Gravataí, sede do ColetiveArts. O Coletive Som - A Voz da arte foi um dos projetos contemplados e financiados com recursos da Lei Federal 14.017/2020 - Lei Aldir Blanc em Gravataí, categoria Saberes e Fazeres Culturais.

Nesse quarto episódio contemplado, trazemos um convidado que como o título da postagem já entrega tem sempre uma ideia na cabeça e um papel e caneta na mão: Matheus Dias. Matheus faz do traço a sua expressão maior, ele é nascido em Porto Alegre mas   reside em Gravataí desde 1990 (um Gravataiense honorário), sempre com um olhar que observa o mundo e com uma curiosidade incansável, ele transforma tudo depois em pura arte. Criou a iniciativa artística InTereSanti em 2016, e com ela participou de várias exposições, entre elas, a BIENAL BLACK BRAZIL ART, na UFRGS, em 2020, além de ser contemplado com o prêmio Dana de incentivo à produção em artes visuais, de 2019, com o projeto “Música Preta inTereSanti”, que buscou valorizar a imagem do negro através de uma reflexão sobre os diferentes aspectos entre cor e música. Pegue um cafezinho, acomode-se e curta essa conversa com o nosso querido Matheus Dias.


(*)Projeto contemplado e financiado com recursos da Lei Federal 14.017/2020 - Lei Aldir Blanc em Gravataí, categoria Saberes e Fazeres Culturais

Edição: Luciano Xaba
Poesia: Fernando Rosa (Ycaro)

Arte da capa: Jorginho
Produção Artística; Jorginho
Produção: ColetiveArts e Oldie Nerd
Operador Técnico: Jéssica Miranda
Galeria de Arte: Matheus Dias
Vídeo do Coletive: Coletive Hip Hop Drops ( Apelidado Tio Isa )
Para escutarepisódios anteriores: https://anchor.fm/coletivearts






 
 



Galeria de arte: Matheus Dias










Vídeo do Coletive:








                

A grande farsa do Discurso anti-ideologico

Uma onda de "anti-ideologia" eclodiu no mundo juntamente com movimentos conservadores. Mas como esse discurso é uma completa farsa? Confira no vídeo.



Assine nosso canal 😊

Fontes 
Artigo Verdade e Ideologia no 
pensamento de Michel Foucault de Pablo Severiano Benevides

Artigo 'Os princípios de verdade 
no Livro IV da Metafísica de Aristóteles' de  
Nazareno Eduardo de Almeida

 Sobre concepções de Ideologia 

Livros 3 e 4 da  'Metafísica' de Aristóteles 

A farsa anti-ideológica de Bolsonaro

Artigo 'IDEOLOGIA E DISCURSO' de Neuza Guareschi

Artigo 'O OBJETO DA IDEOLOGIA
NA TEORIA CRÍTICA DO DISCURSO' de
Maria Eduarda Gonçalves Peixoto, Claudiana Nogueira de Alencar e Ruberval Ferreira

Enquadrando ideologia (Concepção crítica)

Enquadrando ideologia (Concepção neutra)

Vídeo do Meteoro Brasil: https://youtu.be/GiJucCiqc4U

Vídeo completo do Slavoj Zizek 

Livro 'O que é ideologia' de Marilena Chauí 

Wikipédia 

Café Com Gibi 30: As adaptações de HQs,  chega ou manda mais

E como um imortal, que não morre no final, o café com gibi volta e nunca vai acabar.

Neste episódio, eu, Luciano Xaba, Andreas Buhler, Vinicius Vidal e Marcelo Neves, resolvemos falar sobre adaptações de quadrinhos para as telas.

E mais:

-O que pensamos sobre o Doutrinador?
-Está pouco as adaptações?
-O que pode ou não uma série?





   
OFICINA VIRTUAL DE CRIAÇÃO DE PODCASTS - AULA#03

 


Salve salve coletivos, coletivas e coletivEs! Tudo bem com vocês? Hoje voltamos com a nossa OFICINA VIRTUAL DE CRIAÇÃO DE PODCASTS. E nesse terceiro vídeo trazemos todo o clima dos podcasts para o youtube, com a voz aveludada e inconfundível de LUCIANO XABA. A Oficina de Podcasts do ColetiveArts foi um dos projetos contemplados e financiados com recursos da Lei Federal 14.017/2020 - Lei Aldir Blanc em Gravataí, categoria Saberes e Fazeres Culturais. #smcel #leialdirblanc #saberesefazeresculturais Secretaria da Cultura, Esporte e Lazer de Gravataí; Prefeitura de Gravataí; Quiosque da Cultura. SIGA-NOS EM NOSSAS REDES SOCIAIS: Facebook: https://www.facebook.com/coletivearts/​ Instagram: https://www.instagram.com/coletivemov... Blog: https://coletivearts.blogspot.com​ Twitter: https://twitter.com/ColetiveA


NÃO ESPALHE FAKE NEWS, ESPALHE ARTE!

Quadrinista Pernambucano Fernando Athayde lança HQ A Saga do Porco Dourado

Fernando Athayde lança A Saga do Porco Dourado, HQ de estreia do selo independente Elefantes na Sala

Obra de estreia do pernambucano Fernando Athayde, A saga do Porco Dourado é um trabalho que converge quadrinhos, pesquisa acadêmica, punk rock e empreendedorismo. Nela, podemos acompanhar a jornada de um herói tipicamente
latino-americano (e nordestino) em busca do próprio caminho. Uma jornada motivada pelo desejo da aventura, repleta de reviravoltas e batalhas, muitas vezes, internas. Com prefácio
assinado por Dandara Palankof, tradutora e coeditora da revista Plaf, o lançamento do livro determina o início do projeto Elefantes Na Sala, marca que Fernando Athayde (@athaydeaf) criou para englobar próprias produções artísticas e acadêmicas, além de incentivar o consumo da nona arte.

Impresso em papel offset 90g, no formato A4, colorido e com capa em cartão 300g, o livro, publicado de maneira independente, é um convite para se aprofundar no universo de traço underground, cômico, nonsense e, ao mesmo tempo, maduro de Fernando Athayde.
O artista, que também é ilustrador, multi-instrumentista, jornalista e produtor musical, em A Saga do Porco Dourado, torna-se o herói de uma jornada onde a criatividade, o improviso e a comédia pastelão, além de “um mói de coentro e uma coca de 600ml”, são atributos necessários para encontrar saídas e derrotar adversários.

Baseada especificamente no gênero “shonen” (categoria de mangá destinado ao público infanto-juvenil masculino), a obra de Athayde o destrincha na forma de tirinhas e o reconfigura por meio do nonsense, elementos que surgem através de uma “técnica” de improviso de roteiro criada pelo autor. “Foi a história mais espontânea que já escrevi. Quem
estiver à procura de um subtexto, vai continuar procurando. A Saga tem pouco comprometimento com a lógica”, explica o artista. Além das histórias em quadrinhos japonesas, Athayde conta que boa parte do seu referencial estético surgiu ainda na infância, período em que tomou gosto pelo desenho e teve autores como David Feiss (A Vaca e o Frango), Genndy Tartakovsky (O Laboratório de Dexter) e Flávio de Souza (Mundo da lua) como alguns de seus companheiros favoritos.

Como alternativa para continuar a brincadeira depois da leitura de gibis, o quadrinista passou a improvisar com papel e lápis. O mesmo aconteceu com a música durante a adolescência e com a pesquisa durante a vida adulta. O problema é que enquanto artista brasileiro e nordestino, as dificuldades de tocar o próprio trabalho sempre persistiram. Exatamente por isso, resolveu criar um negócio próprio, a marca Elefantes Na Sala, iniciativa que surgiu a partir do momento em que Athayde ingressou no Mestrado em
Indústrias Criativas, facilitado pela Universidade Católica de Pernambuco.


Hoje, a marca se desdobrou numa loja e num site, onde Fernando registra seus processos criativos, vende suas produções e mantém um diálogo com pesquisas sobre a
área. Para se ter ideia, a Elefantes na Sala já rendeu o artigo científico Innovation and Creativity in the Independent Market of Comic Books in Brazil, escrito em parceria com o
pesquisador Rodrigo Sérgio Paiva, que mapeou o trabalho de mais de 250 artistas brasileiros e, em julho, será apresentado em Nova Iorque durante a 12th International Conference on Applied Human Factors and Ergonomics. Na lojinha virtual, aberta desde o dia 22 de março, onde A Saga do Porco Dourado está sendo comercializada por R$27,90, o
público pode encontrar também produtos autorais, como camisas estampadas em serigrafia pela Cósmica Serigrafia Artesanal, prints, adesivos, artes originais e serigrafias.


Sobre a Elefantes Na Sala


A Elefantes Na Sala é, nas palavras de Fernando Athayde, artista que já reúne cerca de 14 mil seguidores no Instagram, "um grande abraço virtual, que visa acolher não só a
produção artística própria, mas também formar uma comunidade de pessoas interessadas em cultura e pensamento".
Enquanto site, o projeto é gratuito e pode ser acessado por todos os interessados.
No endereço virtual, são publicados ensaios, ilustrações e quadrinhos sobre música, processos criativos e vivências na área das artes. Tudo isso, é claro, versado no bom
humor, ou, como o próprio Athayde coloca, a partir da apropriação do título de um texto do filósofo francês Michel Foucault, "tendo a esculhambação como método para uma vida não-fascista".


Além da lojinha virtual, extensão do site, o financiamento coletivo do modo recorrente é outra alternativa para contribuir com a marca. Como uma forma de assinatura, o público escolhe um dos três planos de apoio mensal, cujos valores variam entre R$ 5,00 e R$ 35,00, e tem acesso a uma série de conteúdos exclusivos, que vão desde um Instagram secreto da marca até sorteio de miniaturas, páginas de quadrinhos, ilustrações, entre
outros.

Siga: @athaydeaf
Contato:
Thaís Schio
+55 (81) 99928-1108 (Recife)


Episódio 18 - A magia de Paulo Adriane

  

Continuamos dando seguimento à série de seis podcasts dedicados à cidade de Gravataí/RS, sede do ColetiveArts. O Coletive Som - A voz da arte foi um dos projetos contemplados e financiados com recursos da Lei Federal 14.017/2020 - Lei Aldir Blanc em Gravataí, categoria Saberes e Fazeres Culturais.

Para este episódio trazemos Paulo Adriane, um amado filho da cidade gaúcha de Gravataí, que marcou sua trajetória com sua arte encantando o Brasil inteiro. Paulo cursou Jornalismo na UNISINOS/RS, tem 43 anos de carreira artística, começando bem menino, trabalhou em teatro, televisão e cinema. Paulo já foi crucificado algumas vezes na Paixão de Cristo, atuou com destaque tanto no teatro adulto quanto no teatro infantil, e por falar em público infantil, com a criançada marcou uma geração inteira interpretando a personagem Priscila primeiramente na Tv Colosso e depois em outros programas infantis. A conversa foi linda e não tem como não se encantar com Paulo Adriane, confiram.

(*)Projeto contemplado e financiado com recursos da Lei Federal 14.017/2020 - Lei Aldir Blanc em Gravataí, categoria Saberes e Fazeres Culturais

Edição: Luciano Xaba
Poesia: Fernando Rosa (Ycaro)

Arte da capa: Jorginho
Produção Artística; Jorginho
Produção: ColetiveArts e Oldie Nerd
Operador Técnico: Jéssica Miranda
Galeria de Arte: Cris Bastianello
Vídeo do Coletive: Panda 
Para escutar episódios anteriores: https://anchor.fm/coletivearts
























Galeria de arte: Cris Bastianello




 






Vídeo do Coletive: