Mindhunter, série produzida por David Fincher explora a investigação psicológica

Netflix, mindhunter, serie, livro, review, David, Fincher, Charlize, theron

Baseada no livro 'Mind Hunter: Inside the FBI’s Elite Serial Crime Unit' de John E. Douglas (agente do FBI que o personagem Holden Ford doi baseado) e Mark Olshaker. Por ser baseada em relatos reais de agentes do FBI a série tem uma visão realista muito forte.


Mindhunter: o início do estudo de Seriais Killers


A série acompanha a criação de uma unidade especial no FBI dedicada a psicologia criminal e desenvolvimento de toda uma nova ciência de estudo de perfis psicológicos de assassinos.

A dupla principal interpretada por Jonathan Groff (Frozen) e Holt McCallany (Clube da Luta) cruzam os Estados Unidos fazendo entrevistas com os mais perigosos assassinos em série da história incluindo Charles Manson e o Filho de Sam.

Enquanto desenvolvem os conhecimentos necessários para criar perfis que possam ajudar em investigações futuras, as próprias técnicas são postas à prova quando inúmeros casos começam a buscar a ajuda da unidade especial do FBI.

Mindhunter se esmera na produção 


Na produção temos nada menos que David Fincher e Charlize Theron, ambos já haviam tratados do tema Serial Killer, Charlize interpretou uma em Monster, papel em que ganhou o Oscar. 

A série tem uma produção cuidadosa principalmente na parte de recriação de época.

Nada é feito com pressa e isso se reflete na qualidade homogênea de ambas as temporadas. Nos episódios que o próprio Fincher dirige podemos notar uma linguagem cinematográfica ainda mais acentuada.

Maneirismos de Fincher ficam mais a vistas embora possam ser reconhecidos ao longo de toda série, o que pode mostrar que ele estava bem presente durante toda a produção. 

Mindhunter: Bom elenco e alguns problemas de ritmo 


Jonathan Groff e Holt McCallany estão muito bem na série, assim como todo elenco, destaques principalmente para os psicopatas que cruzam a vida dos agentes durante as entrevistas nas prisões e para a pesquisadora chefe Dra. Wendy Carr, interpretada por Anna Torv (Fringe).

Existem alguns problemas com o ritmo da
série, a passagem de tempo também não fica clara, ela começa em 1977 mas nunca temos ideia de quanto tempo os agentes passam em cada caso, perdemos um pouco de noção de qual o tamanho da carga que eles estão levando nas costas e por quanto tempo.

Muitas vezes também somos levados para os núcleos familiares, claro que isso é necessário para criar empatia com os protagonistas, mas somos deixados lá por muito tempo enquanto outros aspectos mais interessantes da narrativa são deixados de lado.
Nesse ponto do ritmo a série se assemelha muito ao filme Zodíaco não por acaso dirigido por David Fincher em que o problema principal para mim também está no ritmo.

Mindhunter é uma ótima série policial investigativa e que com certeza vai agradar ao fãs deste gênero se não se importarem com o ritmo as vezes arrastado de alguns episódios.

História: 8,5
Fotografia: 9
Montagem: 8
Recriação de época: 9
Investigação psicológica: 9
 Nota final: 8,7 

0 comentários: