Heróis em Crise: Ótima série que explora o lado psicológico dos heróis da DC

DC, Tom, King, Clay, Mann, heróis, Crise, quadrinhos, hqs, comics, minissérie,


Tom King se tornou nos últimos anos sinônimo de excelência na hora de escrever quadrinhos de super-heróis. Na Marvel ganhou destaque no mercado com Visão, continuou na DC com mensal do  Batman, a aclamada minissérie do Sr. Milagre e continuou a boa fase com a ótima Heróis em Crise. Nos últimos anos King ganhou nada menos que 4 prêmios Eisner. 

Heróis em Crise traz uma visão intimistas dos maiores ícones da DC


Os heróis da DC comics ao longo dos anos tiveram muitas representações. Em inúmeras minis e Graphics Novels foram reinventados ou apresentados com visões diferentes do que estávamos acostumados.

Esse tipo de abordagem autoral ganhou força em meados da década de 80 e desde então sempre ganhou força e destaque por trazer conceitos novos para personagens de mais de meio século. 

Heróis em Crise tem 9 edições, ela segue diversos heróis investigando um grande crime que aconteceu no Santuário, instalação tecnológica secreta desenvolvida por Batman, Superman e Mulher-Maravilha para ser um centro de ajuda psicológica para heróis.

A minissérie se concentra nos dilemas investigativos e pessoais dos heróis e as cenas de ação (não são muitas) são intensas e divertidas.

Em Heróis em Crise: muitas mãos na arte, mas sem perder qualidade 


A arte da minissérie não fica devendo nada para o roteiro de King. Os desenhos deveria ter ficado somente a cargo de Clay Mann (Imortal Punho de Ferro), aparentemente Mann teve dificuldades com prazos e outros artistas entraram no projeto para ajudar no ritmo, Travis Moore, Lee Weeks e o parceiro recorrente de Tom King Mitch Geralds.

Isso poderia comprometer a unidade gráfica de Heróis em Crise mas não é o que acontece. Os artistas estavam afinados e o colorista Tomeu Morey manteve a qualidade em todas a edições. 
O Design Gráfico da obra segue a mesma  de outras obras de King, muitas páginas com 9 quadros e um ótimo tempo cinematográfico.

O lado psicológico é explorado novamente por Tom King em Heróis em Crise


Como eu já falei lá no início da matéria as abordagens distintas com personagens heróicos não são novidade, e trazer o lado psicológico deles já foi explorado em muitas obras, mas o que Tom King trás de diferente para se tornar relevante como se esse tipo de abordagem fosse novidade?
Porque King faz os super-heróis  mais humanos, mais do que jamais foram.


Nunca nenhum outro autor abordou conflitos psicológicos desses personagens de maneira tão, tão, tão… psicológica…

Talvez por sua experiência com a CIA, muito provavelmente traçando perfis, King traz um olhar muito humano para eles. Nunca pensamos que esses personagens tão poderosos  e infalíveis pudessem ter tantos medos e paranóias.

Sim a gente já viu os heróis enlouquecerem, virarem vilões e muitas outras coisas, porém Tom King escreve e se aproxima muito da realidade de pessoas que tem problemas psicologicos e psiquiátricos (tema bastante recorrente nas obras de King). A Hq consegue transmitir a angústia, medo e dúvidas dos heróis de maneira que podem ser sentidas pelo leitor.

Ler as confissões mais íntimas de muitos nossos heróis favoritos com certeza é de muitas maneiras impactante.

Tom King:  Roteirista do filme dos Novos Deuses


Tom King já foi confirmado como roteirista do filme dos novos deuses que vai ser  dirigido pela cineasta Ava DuVernay (Selma) se King conseguir transportar a qualidade que tem nas hqs para o cinema, a próxima década de DC no Cinema será muito proveitosa.

Heróis em Crise junta um roteiro épico e intimista ao mesmo tempo com uma arte muito boa e ainda consegue fazer uma narrativa utilizando muitos protagonistas sem ficar perdida no meio do caminho.

Somente a resolução do grande crime é que não me agradou muito, esperava mais. Mas mesmo assim o final segura bem conseguindo resolver todas as pontas que tinham ficado para trás ao longo da história.

Então se tiver tempo e espaço na pja de leituras pode incluir essa Heróis em Crise sem medo.

Roteiro: 8,5
Arte: 8
Confissões heróicas: 9,5
Piadas e cantigas de roda :9 
Nota final: 8.75

0 comentários: